Publi Saúde

Tratamento de varizes e vasinhos Itabuna, Bahia

Entenda como surgem as varizes. Saiba também, sobre as formas de tratamento para esse problema. O autor explica como são aplicadas as técnicas da escleroterapia e crioescleroterapia. Confira outros detalhes sobre o tratamento.

Jose Reboucas Souza
(73) 3211-4615
Angiologia Cirurgia Vascular
Itabuna, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Marcia Virginia de O Castro
(73) 3634-7666
Ilheus, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Eduardo Jose Vita
(73) 2101-2800
Ilheus, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Silvana Ribeiro Soares
(71) 3451-0200
R Leonor Calmon SALA 801 - Cto Medico Chrithian Barnard
Salvador, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Nubia Cristiane Pereira de Matos
(75) 3422-1599
Rua Conselheiro Saraiva 51
Alagoinhas, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Humberto Rogerio Neves
(73) 2101-7200
Rua Ramiro Castro 228
Ilheus, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Guilherme Adami de Sa
(73) 3231-3981
Rua Jorge Amado 1 - S/08
Ilheus, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Cezar Ferreira Leite
(75) 3422-1242
Alagoinhas, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Humberto Cesar Terencio Costa
(77) 3424-2754
Endoscopia Digestiva Gastroenterologia
Vitoria Da Conquista, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Marcio O de Queiroz
(71) 3492-3972
Angiologia Cirurgia Vascular
Salvador, Bahia
Especialidade
Angiologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Tratamento de varizes e vasinhos

Fornecido por: 

Varizes, tratamento

Image As varizes são dilatações das veias superficiais das extremidades inferiores, que ocorrem por um mecanismo de aumento da pressão em seu interior somando a um enfraquecimento da parede da veia que é herdado geneticamente.

Em muitos casos, as varizes não são vistas por estarem bem mais abaixo da pele. Por serem pequenas e na maioria das vezes, não há sinais de dor, uma gestante pode não saber ser portadora de varizes. Com seu agravamento durante a gestação fica a impressão de que a gravidez as gerou, mas na verdade apenas as agravou.

Uma vez diagnosticadas as varizes, por menores que sejam, está indicado tratar antes mesmo da gravidez. Assim os resultados do tratamento é muito melhor, e também, previne-se complicações venosas durante a gravidez. Uma boa dica é utilizar os tratamentos modernos, que não causam dor   ou atraso nas atividades diárias.

Um exame clinico no consultório faz o diagnostico na maioria dos casos, também há modernos exames por imagem, como o ecocolordoppler, que auxiliam em diagnósticos mais precoces e nos dá conta da extensão do problema.

O transtorno menos grave e antistetico corresponde aqueles capilares que, ao se expandirem, lembram teias de aranha ou galhos de arvore vermelhos ou arroxeados. São as telangiectasias. Para este caso existem dois tipos de tratamento: a excleroterapia e o laser.

A escleroterapia já é reconhecida pelo alto índice de bons resultados, pois vem sendo usado há muitos anos sem restrições. É mais indicado para eliminar os vasinhos de médio calibre. O tratamento consiste em se fazer aplicações de um liquido no interior desses vasos e, por um processo de irritação, eles serão absorvidos do organismo, desaparecendo do local.

Mais recentemente surgiu a crioescleroterapia, que consiste no resfriamento do material esclerosante até -30° C a -40° C. pelo fato de estar gelado, fica mais viscoso e se adere as paredes dos vasinhos. Neste caso, age por mais tempo no local, melhorando sua eficácia. Não há restrições em relação à idade e tonalidade da pele. Após a aplicação, a pessoa pode tomar sol e fazer atividades físicas moderadas. Esta técnica é mais utilizada na formação dos vasos mais calibrosos e resistentes a outras técnicas, prevenindo assim sua reincidência.

Também há um excelente meio hoje: o laser. Este método é mais indicado nos vasinhos de menor calibre. Consiste na utilização de uma luz muito intensa sobre o vaso, fazendo com que ele desapareça.

Quais...

Clique aqui para ler este artigo no Publi Saúde